estatísticas da SST

Infográfico dos Acidentes de Trabalho

Estamos de volta com a 2° publicação da nossa Serie Estatísticas da Segurança e Saúde do Trabalho, nesse post vamos falar sobre a distribuição e características dos acidentes de trabalho no Brasil, confira.

Acidentes de Trabalho

A Segurança e Saúde do Trabalho no âmbito de uma indústria demanda o planejamento, a implantação, avaliação e melhoria de procedimentos que garantam ambientes de trabalho e a execução de atividades industriais mais seguras e adequadas para os trabalhadores, garantindo os padrões mínimos de saúde e segurança do trabalho.

Entre os principais objetivos da Segurança e Saúde do Trabalho se destacam a redução de acidentes de trabalho típicos e/ou devido à doença do trabalho, a eliminação dos riscos à saúde e segurança do trabalho e o comprometimento dos trabalhadores com a implantação de uma política de Segurança e Saúde Ocupacional (SSO). Aspectos que são organizados e definidos como requisitos no modelo de gestão da SSO proposto pela ISO 45001:2018.

Para desenvolver as ações internas é necessário analisar os dados da Segurança e Saúde do Trabalho, treinar os colaboradores e atender as Normas Regulamentadoras (NR’s) ou normas específicas que exigem requisitos mínimos para a instalação, operação e manutenção de equipamentos, execução de atividades em ambientes confinados, trabalho em altura, manuseio, armazenagem ou transporte de produtos químicos, entre outras condições que provocam ou geram acidentes de trabalho.

Falta de Segurança e Saúde do Trabalho

A dimensão do problema de falta de Segurança e Saúde do Trabalho pode ser avaliado a partir dos dados do Anuário Estatístico da Previdência Social (AEPS, 2017), publicado pelo Ministério da Fazenda (MF/DATAPREV), que destaca que, em 2017, ocorreram cerca de 549 mil acidentes de trabalho notificados no Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), sendo aproximadamente 340 mil caracterizados como acidentes típicos, 100 mil como acidentes de trajeto, 9.700 registros de doenças ocupacionais. Do total de acidentes registrados com CAT (450.614), o setor de Serviços participou com 59,35%, a Indústria com 37,22% e Agropecuária com 3,43%.

No mesmo período também foram registrados 2.096 óbitos, decorrentes de acidentes de trabalho. Estatística crítica para o país quando comparada com os países do continente europeu, que em 2016, 15 países, totalizaram 2.588 acidentes fatais, conforme a agência Eurostat.

A diferença das estatísticas entre os gêneros

Em 2017, do total de acidentes de trabalho registrados verifica-se que a incidência de acidentes de trabalho foi maior entre o sexo masculino (66%) do que entre o sexo feminino (34%). Na distribuição dos acidentes de trabalho por sexo e considerando a faixa etária dos trabalhadores, observa-se que entre os do sexo masculino a maior incidência ocorre entre as faixas de 25 a 34 anos, totalizando 32% dos acidentes (116.454). No sexo feminino as ocorrências estão mais concentradas na idade de 30 a 39 anos, acumulando 33% dos acidentes de trabalho registrados pelas indústrias (61.365).

Ao considerar um período maior dos acidentes de trabalho (1997 – 2017), se observa que a taxa de acidentes independentes do gênero cresce, excepto em períodos de recessão econômica como, por exemplo, em 2014, que coincide com o aumento da taxa de desemprego e a dificuldade de manter níveis elevados de produção e investimentos nos setores industriais como, por exemplo, a construção civil, indústria de confecção e serviços.

É uma situação que provoca a redução da mão-de-obra e, consequentemente, a exposição aos riscos ou doenças profissionais no ambiente de trabalho. Além disso, aumenta a informalidade no mercado de trabalho e provavelmente acidentes de trabalho deixam de ser registrados nos sistemas oficiais de controle da seguridade social.

Na distribuição total dos acidentes de trabalho registrados com CAT, em 2017, principalmente, no acidente típico, observa-se que para os homens a ocorrência é duas vezes maior do que para as mulheres.

A diferença das estatísticas entre os gêneros é relacionada com alguns fatores como, por exemplo, os diferentes tipos de trabalho que os homens e mulheres realizam e nas próprias atividades industriais que trabalham, conforme, destacado pela agência europeia EuroStat. No Brasil, há mais acidentes nos setores de mineração, construção civil, transporte de cargas, trabalho rural, geração e distribuição de energia elétrica, fábricas do setor metal-mecânica, entre outros, que tendem a ser dominados por homens.

A EuroStat também destaca que geralmente os homens executam jornadas de trabalho mais elevadas nas atividades industriais. Desta forma, o tempo de exposição aos riscos ou situações inseguras no local de trabalho é maior para os homens do que no caso das mulheres.

Lesões corporais registradas

Nos acidentes de trabalho caracterizados como típicos, as partes do corpo mais atingidas são os dedos, mão (exceto punho ou dedos) e pé (exceto artelhos), totalizando 45,67% dos registros com CAT (340.229), em 2017. A eliminação dos riscos de quedas no mesmo nível, quedas de altura, o desenvolvimento de sistemas de proteção de máquinas e equipamentos, a substituição de ferramentas manuais, assim como, a entrega, o controle e a inspeção diária sobre o uso adequados dos EPI’s são ações que reduzem os acidentes de trabalho típicos das funções executadas pelos trabalhadores.

Também observa-se que do total dos acidentes de trajeto registrados, cerca de 100 mil, ocorreram lesões em diferentes partes do corpo (Partes múltiplas) – 11,90%, o Pé (exceto artelhos) – 8,77% e o Joelho (8,66%). Em 2017, o total de doenças do trabalho registradas foi de 9.700, tendo que a maior frequência são problemas com o Dorso (Inclusive músculos dorsais, coluna e medula espinhal), com 12,45% dos registros e Sistema Nervoso com 9,68% dos registros do grupo de Doenças do Trabalho.

Fique atento porque a prática de bons hábitos de Saúde e Segurança do Trabalho no ambiente de trabalho preserva a integridade física do trabalhador, a saúde e aumenta a produtividade, reduzindo com isso os afastamentos temporários, decorrentes por acidentes de trabalho.

A 3° publicação da série chega na semana que vem para falar sobre o Mapa dos Acidentes de Trabalho. Nos vemos por aqui!

Aproveite para conhecer como a nossa tecnologia, ela ajuda a melhorar o desempenho da área de SST na indústria no Canal OnSafety. Quer saber mais sobre o OnSafety? Fale com um dos nossos atendentes!

Se quiser conferir os outros posts dessa série, deixamos aqui os links, aproveite!

  1. Radar da Inspeção do Trabalho;
  2. Infográfico dos Acidentes de Trabalhos;
  3. Mapa dos Acidentes de Trabalho;
  4. Profissões Críticas para a SST;
  5. Radar da Segurança e Saúde do Trabalho.

Comments:6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.