Cuidados para evitar queda com diferença de nível

proteção contra queda

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
infográfico cultura de segurançaPowered by Rock Convert

Os Dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho (Smartlab), demonstram que a Queda de Altura prevalece entre os 10 maiores grupos de agente causadores de acidentes de trabalho no período de 2012 a 2017. Apenas em 2016 e 2017, a Queda de Altura provocou o registro de 28.576 e 26.847 CAT’s (Comunicação de Acidentes de Trabalho), respectivamente e no período foram notificadas 313 mortes acidentárias.

Com essas informações é possível estimar que nas indústrias ocorre 1 acidente por causa da Queda de Altura a cada 18 min. 56s. e infelizmente 1 morte a cada 2 dias 6 horas e 54 min. As plataformas elevadas, escadas e/ou andaimes são os principais equipamentos ou locais de trabalho que expõe o trabalhador aos riscos de acidentes do trabalho em altura, isto é, os realizados a 2 m acima do piso.

mapa de acidentes
Geolocalização dos Acidentes de Trabalho Relacionadas com a Queda de Altura
Período 2016/2017. Fonte: Smartlab (2018).

Causas de queda com diferença de nível no ambiente de trabalho.

Algumas das principais causas de queda com diferença de nível no ambiente de trabalho são:

Procedimentos para evitar queda durante o trabalho em altura.

O planejamento do trabalho em altura deve considerar métodos para evitar e minimizar ao máximo os riscos de queda.

  1. Meios alternativos para execução da atividade sempre que possível, evitando o trabalho em altura propriamente dito.
  2. Medidas que eliminem ao máximo o risco de queda dos trabalhadores, na impossibilidade de exercer a atividade de outra forma.
  3. Medidas preventivas que minimizem as consequências de uma possível queda, quando o risco não puder ser eliminado.

Com base na NR 35, listamos 5 procedimentos básicos que devem ser observados para a execução de atividades em altura.

Os 5 procedimentos básicos:

  • Análise de Risco:  com base no ambiente e nas condições de trabalho, é um tipo de avaliação que vai especificar detalhadamente os requisitos para a execução da tarefa e as medidas de controle dos riscos existentes.
  • Avaliação Médica: contém a comprovação para aptidão do trabalhador, considerando patologias que poderão originar mal súbito, queda de altura e fatores psicossociais.
  • Treinamento: capacitação teórica e prática do trabalhador durante uma carga horária mínima de oito horas, com base nas normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura; contidas na NR 35.
  • EPCs e EPIs: fazer uso obrigatório de equipamentos de proteção coletivos e individuais como sistemas de proteção contra quedas, bem como observar os procedimentos de acesso ao trabalho por meio de cordas.
  • Permissão de Trabalho: no caso de trabalhos esporádicos, a atividade deve ser autorizada antecipadamente e conter os requisitos de segurança próprios para a realização da tarefa especificada.

Todas as especificações e detalhes de cada um destes procedimentos podem ser consultados na NR 35. Todo empregador deve manter-se atualizado e atento quanto às normas de segurança. Em caso de inconformidade, a empresa corre o risco de receber autuação e multas do Ministério do Trabalho.

Banner infográfico controle de EPIPowered by Rock Convert

É aconselhável realizar inspeções de segurança frequentemente e aproveitar oportunidades de conscientização como a Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho (CANPAT); que neste ano, irá abordar assuntos e riscos relacionados com o trabalho em altura.

Queda de Nível é um dos temas da CANPAT 2018.

motivos de quedas

Desde abril de 2017, a Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho (CANPAT) está abordando o tema adoecimentos e queda de nível. Isso decorre da necessidade de prevenir os acidentes de trabalho decorrentes da Queda do Mesmo Nível e Queda de Altura, que são dois grupos de agentes causadores que representam cerca de 19% dos acidentes de trabalho registrados no período de 2012-2017.

O objetivo é conter e minimizar o número de acidentes e doenças ocupacionais que causam prejuízos financeiros para a previdência e para o empregador e, principalmente, para o funcionário.

Só no ano passado, em média, foram registrados 539 afastamentos e 1.111 mortes relacionadas ao trabalho. Dentre os óbitos, cerca de 15 % foram ocasionados por motivo de queda de nível.

A CANPAT 2018 vai até novembro, onde o Ministério do Trabalho estará divulgando cartilhas e manuais explicativos para conscientização dos acidentes com diferença de nível no ambiente de trabalho e doenças laborais. Entre os principais temas que serāo abordados estão:

  • Trabalho em altura.
  • Manutenção em fachadas.
  • Conteúdo explicativo e consolidado sobre a NR 35.
  • Guia de Procedimentos da Inspeção do Trabalho (Manual de Fiscalização do Trabalho em altura e Manual de Fiscalização do PCMSO).
  • Adoecimento ocupacional, em geral.

Promova uma atmosfera no ambiente organizacional na qual os trabalhadores são conscientes sobre os riscos envolvidos no trabalho, participam do processo de prevenção e avaliação e evitam atitudes ou situações inseguras.

Veja também, quais são as principais características da cultura de segurança do trabalho que são fundamentais para melhorar os resultados da segurança e saúde do trabalho e integrar as ações preventivas com o dia-a-dia da empresa.

Ajuda