mercado de trabalho no agronegócio brasileiro

Mercado de Trabalho no Agronegócio Brasileiro

Às principais características do mercado de trabalho no Agronegócio brasileiro podem ser observadas e utilizadas para estabelecer políticas e programas adequados para a Segurança e Saúde do Trabalho.

A nossa Equipe OnSafety observou nas estatísticas de distribuição de acidentes de trabalho, apresentadas no Infográfico dos Acidentes de Trabalho, que o tipo de atividade econômica, o gênero, a jornada de trabalho e a idade são aspectos que determinam a probabilidade de ocorrer um acidente de trabalho ou desenvolver doenças profissionais. A seguir, destacamos os principais aspectos dos trabalhadores do agronegócio.

Os Trabalhadores do Agro 

Estatísticas publicadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA) demonstram que as Pessoas Ocupadas (PO) no agronegócio brasileiro correspondem a mais de 18,20 milhões de trabalhadores, distribuídos no segmentos de produção de insumos, transformação primária ou produção agropecuária, a indústria de processamento e Agroserviços, o que nos mostra o tamanho do mercado de trabalho no Agronegócio no Brasil.

A esse grupo de trabalhadores também pode ser somado um número de empregados sem carteira assinada que vem crescendo ano a ano e que em 2018 existiam cerca de 3,12 milhões de empregos informais no setor de agronegócio.

Outra visão da distribuição das Pessoas Ocupadas pode ser construída a partir dos dados publicados pela Revista Exame no ranking das 400 maiores do agronegócio brasileiro, na qual verifica-se que a maior concentração de Pessoas Ocupadas no agronegócio está na cadeia produtiva de Aves e Suínos com 28%, Açúcar e Álcool com 18%, Óleos, Farinhas e Conservantes com 10% e Algodão e Grãos com 9%, isto é, os 4 segmentos são responsáveis por 64% das vagas ocupadas no setor.

Distribuição de pessoas ocupadas por segmento das 400 maiores empresas-min

O Perfil da Mão de Obra

Quanto à distribuição da mão-de-obra entre os setores do Agronegócio a maior concentração do número de trabalhadores é na produção agropecuária (segmento primário na cadeia produtiva do agronegócio) com 45,88%, seguido dos Agroserviços (31,81%), Agroindústria (21,09%) e Insumos (1,22%).

A distribuição das pessoas ocupadas nas atividades do Agronegócio demonstra que o segmento da Produção Agropecuária, que emprega 46% de trabalhadores do setor, é o que recebe a maior número de trabalhadores com o menor grau de instrução educacional, isto é, na Produção Agropecuária 75,5% dos trabalhadores possuem até o ensino fundamental, demonstrando que os trabalhadores que atuam neste segmento demanda ações diferenciadas e específicas adequadas ao nível de escolaridade para promover e implantar uma Cultura de Segurança do Trabalho nas indústrias.

Gráfico - Características pessoal ocupado no agronegócio-min

Por outro lado, às estatísticas do nível de instrução demonstram que nos segmentos de Agroserviços, a Indústria (Agro) e Insumos, juntos absorvem 54,% da mão-de-obra. Nas empresas prevalecem trabalhadores contratados com carteira assinada e com uma formação educacional maior.

Especificamente, o Agroserviço é o segmento que mais contrata trabalhadores com ensino superior (completo e incompleto), com 29,7%, seguido da produção de Insumos, com 26,3% dos trabalhadores.

O CEPEA também estima que em média a jornada no mercado de trabalho no agronegócio é em torno de 40,57 horas/semana nos serviços, seguida pela indústria com 40,24 horas/semana, insumos com 39,29 horas/semana e 37,66 horas/semana na agropecuária. Também verifica-se que existem diferenças significativas nos rendimentos médio obtido pelos profissionais ocupados nas atividades industriais.

Características pessoal ocupado no agro 1-min

Na série histórica no período de 2009 até 2018, verifica-se que o empregador que atua no setor recebe um rendimento médio de R$5.567,49, seguido pelo empregado e outros, com R$1.759,14 e por aquele que atua por conta própria (autônomo), com R$1.263,44.

Ao entender as características das Pessoas Ocupadas pelo Agronegócio brasileiro é possível criar um plano de ações para a Segurança e Saúde do Trabalho. 

Isso permite estabelecer novos procedimentos de Segurança e Saúde do Trabalho, avaliar a efetividade das ações preventivas, definir os riscos do ambiente de trabalho, investigar as características dos problemas relacionados com a SST e estabelecer um plano de trabalho efetivo que previna os riscos ambientais.

Fique por Dentro da Nossa Tecnologia

Na nossa próxima publicação vamos apresentar informações sobre os acidentes de trabalho que estão sendo registrados nas indústrias que atuam no agronegócio brasileiro.

Enquanto isso, veja como a nossa tecnologia ajuda a melhorar o desempenho da área de SST na indústria no Canal OnSafety. Também podemos agendar uma reunião para apresentar os benefícios do Sistema OnSafety, será uma conversa rápida e produtiva, é só agendar com um representante da nossa Equipe OnSafety.

Comments:3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ajuda