ergonomia

Ergonomia no Trabalho: Seus benefícios e sua Importância

Um ambiente de trabalho desorganizado, com problemas de iluminação, ventilação, sinalização, ruído, máquinas quebradas, com trabalhadores insatisfeitos e sem treinamento pode causar uma infinidade de doenças ocupacionais e/ou provocar acidentes de trabalho, influenciando diretamente a capacidade produtiva e a saúde do trabalhador e é por isso que a Ergonomia no trabalho é importante. A Norma Regulamentadora – NR 17 é proposta com o objetivo de “estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente”.

E se você tem dúvidas sobre o assunto, confira este post, com tudo que é preciso saber sobre a NR 17 e a importância da ergonomia no trabalho. Uma boa leitura!

O que é Ergonomia?

Ergonomia é o conjunto de disciplinas que estudam a organização do ambiente de trabalho e as interações entre o homem e as máquinas ou equipamentos, com o intuito de trazer conforto ao trabalhador, prevenir as doenças ocupacionais e realizar uma boa interação entre o ambiente de trabalho, as capacidades físicas e psicológicas do empregado e a eficiência do sistema.

Origem e História

A primeira vez em que foram documentadas as doenças e lesões relacionadas ao trabalho, foi no ano de 1700, quando o médico italiano, Bernardino Ramazzini,  publicou o livro De Morbis Artificum, que relatava os riscos que produtos químicos, poeira, metais e mais alguns materiais encontrados em trabalhos da época, traziam à saúde do trabalhador.

Após anos de descrições sobre doenças relacionadas ao trabalho, em 1911, Frederick Taylor, publicou o livro Princípios da Administração Científica, onde ele procurava pela melhor maneira de executar um trabalho e as tarefas relacionadas à ele. Nesta época, Taylor reduziu o peso e o tamanho de pás de carvão e triplicou a quantidade de carvão que os trabalhadores carregavam num dia. Nessa mesma época, Frank Gilbreth e sua esposa Lilian, expandiam o que Taylor havia publicado e começavam a desenvolver o Estudo de Tempos e Movimentos, na intenção de eliminar ações desnecessárias para certa atividade no trabalho, aumentando a eficiência do trabalhador. Gilbreth foi o primeiro à observar que melhorias nas condições de trabalho preveniam lesões por esforço repetitivo e à longo prazo reduzia prejuízos.

Com base nos primeiros estudos de Taylor e do casal Gilbreth,  com o avanço da tecnologia e as mudanças que passavam a ocorrer nos ambientes de trabalho, a ergonomia começou à se desenvolver, sempre com o objetivo de trazer a melhor interação possível entre o humano, seu ambiente de trabalho e os instrumentos de trabalho, até que em 1959, em Oxford, foi fundada a Associação Internacional de Ergonomia e partir disso a ergonomia foi se ampliando e se tornando uma área de estudos.

Bases

A ergonomia é uma área multidisciplinar, ela se baseia em diversas disciplinas como Antropometria, Psicologia, Biomecânica e algumas engenharias para estudar o ser humano dentro de seu ambiente de trabalho.

No Brasil, alguns cursos técnicos e algumas disciplinas de graduação em Engenharia de Produção e Desenho Industrial, são o ponto de partida do conteúdo sobre ergonomia, sendo abordado de maneira básica. No entanto, o conteúdo é aplicado de forma mais efetiva em cursos de especialização, onde são abordados temas de Psicologia, Antropometria, Organização do trabalho, Tecnologia da informação, Princípios de administração, Engenharia de Produção e Fisiologia humana.

A Importância da Ergonomia para a Saúde do Trabalhador

Dentre os problemas relacionados ao trabalho, o Acidente do Trabalho é considerado o mais grave, devido a sua elevada ocorrência. A partir dos dados estatísticos divulgados pelo MPS é possível determinar a Quantidade Acumulada de Acidentes do Trabalho por Classificação Internacional de Doenças (CID-10) por Situação de Registro / Motivo do Acidente para o período 2011 à 2014.

Acidentes de Trabalho

Observa-se que do total de acidentes registrados (+2,5 milhões), 59% são traumatismos gerados nos membros superiores e inferiores dos trabalhadores. Estatística que demonstra que é necessário melhorar a interação do homem com o ambiente de trabalho sob aspectos de execução das operações, ritmo de trabalho, manuseio de ferramentas, postura adequada e condições do ambiente de trabalho, reduzindo com isso os riscos Ergonômicos, Físicos e Mecânicos.

A ergonomia se preocupa com as condições do ambiente de trabalho. Afinal, uma das principais causas da baixa produtividade é o desconforto consequente da má adequação do corpo a um determinado equipamento de trabalho.

São objetos de estudo da ergonomia fatores que podem causar problemas à saúde física e mental dos trabalhadores, bem como formas de minimizar seus efeitos. Entre esses fatores podemos citar a iluminação, o ruído e a temperatura.

lampada A iluminação pode, por exemplo, causar danos à visão e, com isso, contribuir para um baixo desempenho da capacidade de produção de uma pessoa, seja em um escritório ou em uma fábrica.

termometro A exposição a elevados índices de temperaturas (Índice de Calor ou Frio) e umidade alta no ambiente de trabalho influenciam negativamente a produtividade e aumentam o índice de erros, inclusive causando danos à saúde do trabalhador.

barulho, megafone A exposição a ruídos excessivos no ambiente de trabalho também pode influenciar a saúde auditiva do trabalhador. Pesquisas demonstram que a exposição constante sem adotar medidas preventivas e/ou de controle geram a perda de audição temporária, podem passar a ser permanente, entre outros sintomas.

postura Com relação aos problemas de postura, o ideal é a prevenção, buscando a adequação de mesas e cadeiras, com o intuito de garantir o conforto do trabalhador e consequentemente a produtividade do mesmo.

O uso da ergonomia contribui para uma diminuição do cansaço e tornam eficientes os procedimentos que tem como objetivo evitar lesões ao trabalhador. Por exemplo, Masterton e Richardson, destacados por D’AMBROSIO ALFANO et al. (2011), apresentam parâmetros (limite mínimo e máximo) de conforto térmico (calor e umidade) para trabalhadores.

Intervalo de TemperaturaNível de Desconforto Térmico
20°C ≤ ICF ≤ 29°CConfortável
30°C ≤ ICF ≤ 39°CDesconfortável
40°C ≤ ICF ≤ 45°CAltamente Desconfortável, evite esforço
Acima de 45°CPerigoso
Acima de 54°CInsolação Iminente

ICF Índice de Conforto Térmico

Com o avanço da tecnologia e fiscalização, várias empresas buscam melhorar as condições do ambiente de trabalho e promovem uma série de programas como forma de incentivar a saúde de seus empregados. Investem também em estudos sobre as vantagens da ergonomia para a melhoria da sua produção.

Assim, se por um lado, a ergonomia pode insinuar maiores gastos, por outro representa uma economia para empresa, ao resultar em uma melhoria significativa da saúde e da eficiência do trabalhador.

A Ergonomia no Trabalho e a relação Humano-Computador

Na questão dos equipamentos de trabalho, em suma podemos dizer que a ergonomia é a adaptação dos dispositivos á pessoa que os está operando. Com a revolução tecnológica e o grande aumento de trabalhos burocráticos, de escritório em que o computador se torna o principal instrumento de trabalho, a usabilidade se torna o foco principal.

Quanto mais otimizado o computador ou sistema for, maior será a eficácia e eficiência de seu operador, quando alguma parte de um sistema acarreta em perca de tempo de uma ação ou até mesmo a impossibilita, e eficiência do sistema como um todo fica comprometida.

Com os computadores cada vez mais presentes nos ambientes de trabalho, alguns problemas de saúde relacionados à seu uso passaram a se tornar mais comuns, como lesões por esforço repetitivo devido a digitação, problemas de postura e de visão, o que incentivou a criação de equipamentos adaptados ao conforto do trabalhador, como mouses, cadeiras e teclados ergonômicos.

teclado-ergonomico
Exemplo de teclado ergonômico

Atualmente o maior desafio da ergonomia é adaptar as tecnologias cada vez mais, trazendo boa usabilidade e design, tanto para softwares e hardwares, trazendo a usabilidade como foco, para aumentar a eficiência, reduzindo ações desnecessárias de sistemas, e para reduzir doenças ocupacionais, adaptando os equipamentos para trazerem mais conforto ao empregado durante seu uso.

A NR 17 e a Ergonomia no Trabalho

Em 1978, surgiu a Norma Regulamentadora Nº 17 (NR 17) do Ministério do Trabalho e Emprego, regulamentada pela Portaria Nº 3.214, de 08 de junho, que aprovou as normas regulamentadoras do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho.

A NR 17 regulamenta a ergonomia no ambiente de trabalho e visa o conforto, a diminuição de lesões e o aumento da produtividade dentro das empresas.

Observa-se que a NR 17 é uma norma básica na indústria, já que a maioria das doenças de trabalho são desenvolvidas a partir da exposição dos trabalhadores ao risco ergonômico. Como exemplos podemos citar os trabalhos realizados em pé durante toda a jornada, tarefas que necessitam de movimentos repetitivos e levantamento de cargas.

Fique atento com o desconforto do trabalhador em seu ambiente de trabalho, além de causar danos à saúde, gera também baixa produtividade para a empresa. Portanto, não cumprir o determinado na NR 17 não é vantajoso para nenhuma das partes, empregado e empregador saem perdendo.

Dentre os benefícios da ergonomia no ambiente de trabalho podemos citar:

  • Presença de pessoas mais saudáveis e dispostas
  • Diminuição de funcionários com problemas de saúde
  • Redução do número de funcionários afastados por problemas médicos

Fique Atento as Consequências do Descumprimento da NR 17

O não cumprimento da NR 17 pelos trabalhadores e pelas empresas pode acarretar em várias consequências. Vejamos abaixo.

Descumprimento pela empresa

Caso seja constatada alguma irregularidade durante a fiscalização, a empresa será notificada e será estipulado um prazo de até 60 dias para que se realizem as correções. Após o prazo estabelecido na notificação, será realizada nova fiscalização. Se houver a continuidade das irregularidades aplica-se uma multa e a empresa poderá responder processo perante a Justiça do Trabalho.

Descumprimento pelo trabalhador

Se o trabalhador se recusa, de forma injustificada, a cumprir a NR 17, fica caracterizado ato faltoso e ele poderá sofrer as penalidades previstas em lei, podendo até ser demitido por justa causa.

Inicie com o Treinamento para Melhorar a Ergonomia no Trabalho

É extremamente importante que as empresas deem atenção à aplicação da ergonomia no ambiente de trabalho, a fim de se evitar futuros problemas. O primeiro passo é introduzir um programa de treinamento com vários métodos de intervenções (palestras, vídeos, panfletos, instrução programada etc.) que promovam uma Cultura de Segurança do Trabalho e demonstrem a preocupação com a qualidade de vida do trabalhador.

Referência

D’AMBROSIO ALFANO; F.R.; PALELLA, B.I.; RICCIO, G., Thermal Enviroment Assessment Reliability Using Temperature – Humidity Indices. Industrial Health, v.49, p.95-106, 2011.

Comments:0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.